segunda-feira, julho 08, 2013

O chamado de Dilma


Rodrigo Constantino

A presidente Dilma é como aquele marido traído, que descobre a esposa no sofá com o amante, e joga fora o sofá para acabar com o adultério. Este, aliás, tem sido um governo marcado pelo ataque aos sintomas, jamais às causas dos problemas. Não seria diferente na questão da saúde.

Faltam médicos no interior do país, pois as condições de trabalho são lamentáveis? Então o governo resolve importar “médicos cubanos”. Ainda assim faltarão médicos no “maravilhoso” SUS? Então os médicos não vão mais se formar após seis anos, e sim oito anos, pois terão que dedicar dois anos extras após o término da faculdade ao SUS para obter o diploma.

Isso é o governo praticando “altruísmo” com esforço alheio. Estender a já longa jornada de estudo e prática do médico para tampar um buraco criado por sua própria incompetência é injusto, absurdo e antiliberal. A presidente fala em um “chamado” aos médicos, mas não é nada disso: é uma imposição, das mais autoritárias.

Para um economista como eu, a escassez de um bem ou serviço é sinal de preço fora de lugar. Quando há fila em um restaurante e o outro está vazio, isso é sintoma de que o primeiro deve estar cobrando pouco, e o segundo muito. Normalmente, o setor privado reage justamente assim: aumenta a demanda, ele tenta expandir a oferta, e quando isso não é possível, ele ajusta o preço.

O governo, como sabemos, não faz nada disso, pois seus incentivos são inadequados. Quando há demanda demais na hora do rush no tráfego, ele cria racionamento de placas. E quando há médico de menos no interior, ele decreta mais dois anos de trabalho aos recém-formados para liberar o diploma. O presidente da Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade, Nulvio Lermen Junior, criticou a nova medida do governo:

O governo tem que melhorar a infraestrutura, criar um plano de carreira adequado, oferecer condições de vida apropriadas para os profissionais e para a família e, claro, com salário condizente, que não precisa ser muito diferente das outras regiões. Não adianta atender a só um desses itens. Do contrário, a pessoa pode até ir se aventurar, mas acabar logo desistindo. Não há alguém que aguente viver por muito tempo sem esses fatores envolvidos.

Em outras palavras, a falta de médicos é um problema de mercado, eminentemente econômico. Quando envolve saúde, sabemos que a esquerda gosta de deixar as calculadoras de lado ainda mais do que o de praxe, mas não é com base em decretos autoritários, escravizando os médicos recém-formados, que iremos resolver a falta de médicos pelo interior.

A saúde pública no Brasil é uma porcaria, e o governo acaba optando por mais intervencionismo ainda, prejudicando todo o setor, inclusive o lado privado. Se a trajetória dos médicos terá mais um obstáculo agora, postergando o retorno de seu investimento pesado em tempo de estudo, pode estar certo de que isso vai encarecer o serviço para “nos otros”, que pagamos a fatura. 

O "chamado" de Dilma mais parece aquele filme com o mesmo nome, onde o sujeito atende o telefone, e com isso sela seu destino, assinando seu atestado de óbito. Socorro! 

17 comentários:

Roberto d Avila disse...

Sem falar no estupefaciante ataque à liberdade de escolha do cidadão!

Digamos um estrondoso NÃO ao serviço militar obrigatório!

Digamos um estrondoso NÃO à tentativa do Estado de controlar ainda mais a sociedade!

Antes de vermos essa medida como uma resposta à saúde, devemos vê-la como um ataque ao nosso livre arbítrio, ao nosso direito de dirigirmos nossas próprias vidas!

Um Estado, seja governado pela direita ou pela esquerda, não deve ter prerrogativas sobre o indivíduo.

Anônimo disse...

Não sou médico, logo tal medida não me afetará diretamente... Contudo, não posso deixar de afirmar que essa da Dona Dirma é de doer e fazer perder qualquer expectativa em relação à selva em que vivemos...

Como diria o grande filósofo: "Para a selva existem apenas duas saídas, o Galeão e Cumbica!"

Marcos Dutra disse...

Obrigar um médico de escola privada a trabalhar no SUS é semi-escravidão. Uma das poucas diferenças entre um homem livre e um escravo é que o livre trabalha onde quiser.
Este é um precedente gravíssimo, que se passar vai significar a morte da liberdade neste país.

Anônimo disse...

Rodrigo, não concordo quando você diz " O médico terá mais um obstáculo, postergando seu investimento pesado em tempo de estudo ". Caso o estudante não queira passar por isso, ele que vá para a universidade privada. Eles estudam de graça, comem de graça e tem hospedagem de graça. E depois de se formarem, cobram consultas absurdas, não se importando com as pessoas que contribuíram para a sua formação. Pensando apenas na sua situação financeira, apesar do juramento quando da formação.
PT, PARTIDO DA ÉTICA E DA MORAL.
FORA LULA, FORA DILMA, FORA PT.

Lucas Menezes disse...

Essa bola de neve já tem 500 anos, e digo mais, a tendencia é piorar, e o pior estamos juntos nesse barco mesmo sem saber quem está guiando ou qual itinerário, pagaremos essa conta!!!

Victor Chamun disse...

Agora sobrou pro acadêmico de medicina que só vai receber seu diploma em 8 anos, sendo os 2 últimos dedicados ao SUS por livre e expontânea coerção.
Fora os 3 a 4 anos de Residência Médica após se formar.
Daqui a pouco o médico quando completar toda a sua formação vai estar próximo da aposentadoria.

Fernando disse...

Pois é, todos podem cobrar por seus serviços, menos os médicos. Se cobram, já começam os ataques: "mercenário!", "ganancioso!", "e o juramento?!", blablabla.

Cuidado de saúde é um serviço como qualquer outro e você tem que pagar por ele.

Ah, e exigir que formandos em engenharia, direito etc de faculdades publicas vão trabalhar pro governo por 2 anos ninguem exige né?

Fernando Feltre disse...

''Se a trajetória dos médicos terá mais um obstáculo agora, postergando o retorno de seu investimento pesado em tempo de estudo, pode estar certo de que isso vai encarecer o serviço para “nos otros”, que pagamos a fatura.''

Esse trecho escrito pelo Rodrigo explica muito bem quais são as reais intenções de Dilma para o futuro : com a conta mais alta a pagar, a sociedade menos esclarecida clamará pela vinda de 'médicos' Cubanos.

rodrigo disse...

"Eles estudam de graça, comem de graça e tem hospedagem de graça. E depois de se formarem, cobram consultas absurdas, não se importando com as pessoas que contribuíram para a sua formação. "

De graça uma OVA! Quem passa em um vestibular de medicina em escola "de graça" PAGOU E MUITO por um ensino BÁSICO E MÉDIO DECENTE (FORA OS 5 MESES EM 12 ao ano QUE OS PAIS PAGARAM EM IMPOSTOS PARA TER, ENTRE OUTRAS COISAS, EDUCAÇÃO QUE PRESTE PARA SEUS FILHOS.)

Escreve aí: logo logo, se não tirarmos essa porcaria do poder, vão ter a idéia de fazer todos profissionais recém egressos da universidade pública fazerem favores para o governo.

DE GRAÇA UMA OVA. 5 MESES EM 12 SEUS PILANTRAS.

vão enrolar suas respectivas mães.

Anônimo disse...

Isso é um verdadeiro absurdo.
Até aprovo a medida para quem cursou universidade pública. Devolve um pouco do que recebeu à população. Não quer? Paga universidade particular. Mas, exigir de quem se formou sem recursos do "Guverno" é próprio do Cúmunismo dessa cangalha que nos "guverna"

Anônimo disse...

Rodrigo
É certo que não foi nada de graça, mas quem pagou o estudo "de Graça" Não é quem usa o SUS. Meus 3 filhos estudaram em universidades particulares, paguei o estudo deles com meu dinheiro e também de vários médicos com meus impostos. Então nada mais justo do que devolver um pouco do que dei para a população. Por mim não existiria Universidade pública. Eu mesmo trabalhei pra caraleo para me formar, me sustentando em SP e pagando Universidade particular. "Di Gratis" não recebi nem injeção na testa.

Marcelo Rocha disse...

Sou médico formado em 2007 por uma das melhores Universidades públicas do país e falo categoricamente: NADA do que recebi em formação foi de graça! O governo não pagou meus anos de escola particular, não pagou meus esforços para passar em um concorrido concurso, não pagou minha alimentação nem meu transporte durante a faculdade....Tambem nao pagou meus livros de medicina, nem congressos, nem as horas de estagio GRATUITO no SUS que fiz.... eu e meus pais pagamos impostos como todos, mas o estudo que tive, FUI EU MESMO QUEM ME DEU! O Governo nao me deu absolutamente nada... pelo contrario, me deu pessimas condiçoes de trabalho e estudo!

Sendo assim, minha obrigação para com a sociedade é a de ser um bom cidadão e bom profissional. Uma pessoa justa e honesta, e isso graças a Deus eu sou. Independente do governo.

Marcelo Rocha disse...

Sou médico formado em 2007 por uma das melhores Universidades públicas do país e falo categoricamente: NADA do que recebi em formação foi de graça! O governo não pagou meus anos de escola particular, não pagou meus esforços para passar em um concorrido concurso, não pagou minha alimentação nem meu transporte durante a faculdade....Tambem nao pagou meus livros de medicina, nem congressos, nem as horas de estagio GRATUITO no SUS que fiz.... eu e meus pais pagamos impostos como todos, mas o estudo que tive, FUI EU MESMO QUEM ME DEU! O Governo nao me deu absolutamente nada... pelo contrario, me deu pessimas condiçoes de trabalho e estudo!

Sendo assim, minha obrigação para com a sociedade é a de ser um bom cidadão e bom profissional. Uma pessoa justa e honesta, e isso graças a Deus eu sou. Independente do governo.

samuel disse...

A total falta de equipamento no Serviço publico médico não exime o profissional da responsabilidade civil e criminal.
Meu primo médico nos EEUU tem um seguro de 03 milhões de dólares para se cobrir de processos por "mal pratice" Trabalhando no SUS a salários vis, QUEM VAI RESPONDER POR ESSES PROCESSOS? O patrimônio do médico. ISSO VAI AUMENTAR O INTERESSE DELE EM PRATICAR MEDICINA ONDE HÁ RISCO?
No fim esse serviço médico passa a ser uma grande enganação. Isso preocupa a petralhada?

rodrigo disse...

Marcelo Rocha, vc está coberto de razão. O problema é que essa merda de governo do PT tá louco para cobrar duas, três vezes pela coisa: seu esforço. Esforço para pagar impostos, para passar no funil apertado da univ pública, depois de pagar escola particular decente, e ainda querem que vc trabalhe mais dois anos para cobrir o BURACO DA INCOMPETÊNCIA DO MIN DA SAÚDE. E o pior, tem gente que acha isso um barato!!! Os parasitas adoram essa gente.

Tony disse...

Caro Rodrigo, essa seria uma coluna no Globo. Um tema mais do que chamativo e excelente gancho para considerações liberais.

Só faria uma sugestão: suprimir o exemplo do restaurante, porque antes da sua conclusão eu imediatamente imaginei que o que tem fila faz comida boa e outro não. Eu prefiro pagar mais caro e comer melhor.

rodrigo disse...

Anonimo das 1:24: o que tem a ver quem usa o sus com o busilis? Pelo visto, universidade pública não foi uma de suas opções.Mas não venha tentar cobrar isso dos outros. Pode ter certeza de que quem está lá pagou caro por isso.