sábado, setembro 25, 2010

Desabafo! Guerra contra as drogas

Vídeo onde defendo a legalização das drogas. Uso dois tipos de argumento: os princípios individuais e os resultados práticos da proibição. A guerra contra as drogas fracassou!

20 comentários:

Geovane disse...

Parabéns. Muito bem argumentado.

Ronilson Sérgio disse...

Lamento sua opinião Rodrigo, pelo visto você nunca viu o sofrimento de uma família que tem um filho drogado, liberdae individuais só são válidas quando esta não "invadem" a liberdade dos outros, o que não é o caso dos usuários, que roubam, furtam, e matam pelo vício. Quanto ao seu segundo argumento ele é no mínimo contraditório, se assim fosse não estariamos lutando contra o ditador Lula, sim pois todos os esforços de esclarecimento da opinião pública também foram um fracasso, pense melhor meu amigo, já temos muitos zumbis intelectuais, não precisamos de zumbis verdadeiros.

Rodrigo Constantino disse...

Ronilson, engana-se. Conheço de perto famílias destruídas pelas drogas. Mas posso te apresentar famílias destruídas pelo álcool também, que é legalizado. Aliás, o fato de as drogas serem proibidas gerou mais problemas ainda nas famílias que conheço, pois os viciados tiveram que lidar com o pior tipo de gente, os traficantes.

Otavio Macedo disse...

Ronilson,

Por trás do seu comentário há uma premissa oculta: a de que as drogas são um mal externo que ataca os seres humanos, como se fossem uma catástrofe natural.

Mas diferentemente de um terremoto, por exemplo, as drogas são inertes. É o uso que as pessoas fazem das substâncias é que pode causar todo o problema. Um cigarro de maconha não terá qualquer efeito enquanto ninguém fumá-lo. Por isso, a principal força contra o mau-uso é a responsabilidade individual. Se você acha que faz mal, basta ficar longe. Se você acha que seus filhos não devem usá-las, eduque-as. No caso das pessoas com problemas de dependência química, a repressão também não ajuda. Ou você acha que cadeia é solução para alguma doença?

As pessoas costumam raciocinar na seguinte linha: tal coisa é ruim, mas como eu não sou forte o suficiente para resistir, prefiro que seja proibido, para que o Estado me castigue toda vez que eu ceder à tentação. E como eu não tenho competência para educar meus próprios filhos, prefiro delegar essa responsabilidade às "autoridades". Aproveitando-se dessa mentalidade infantil é que o Estado vai ganhando cada vez mais controle sobre nossas vidas.

Anônimo disse...

Rodrigo, acabo de assistir a seu vídeo no youtube. Brilhante. Parabéns.

ntsr disse...

'tal coisa é ruim, mas como eu não sou forte o suficiente para resistir'

Vcs que se acham fortes assim deviam experimentar crak uma vez.Só uma e pronto, iam ter moral pra falar.

Coisas sem noção como essa só servem pra desacreditar os liberais.

ntsr disse...

'a vida é minha eu faço o que quero'
Se o mundo real fosse simples assim tudo seria tão fácil, pegue a realidade brasileira, um adolescente/criança de uma favela, vivendo no meio de todo tipo de violência que começa muitas vezes na própria família, ###sem educação### sem emprego sem nada, daí libere o crack e espere que por um momento de revelação divina ele vá adivinhar que se ele fumar aquilo UMA VEZ ele tá f*****, espere que ele vá tirar não se sabe de onde a 'determinação' pra se livrar sozinho de uma dependência química fortíssima, e o mais importante, ESPERE QUE ELE NÃO VÁ ENTRAR PRO CRIME PRA SUSTENTAR O VÍCIO.
'nada tem a ver com nada' <-- coisa de intelectual a anos luz da realidade.

ntsr disse...

E esse negócio de 'legalizar diminui o poder dos traficantes',dá até pra desconfiar da honestidade intelectual dos 'libertários' pq a gente já falou disso antes, alguém falou que portugal legalizado é uma maravilha e eu mostrei uma manchete de um jornal português que diz com todas as letras:
MÁFIA DAS FAVELAS INVADE PORTUGAL, ou seja, o pcc brazuca ganhando dinheiro com o tráfico lá tb

Ronilson Sérgio disse...

Caro Otávio, aprecio sua opinião, mas me permita, não concordo com ela, nós efetivamente não precisamos de drogas para viver, mas expor legalmente a droga é dar a "chance" de nossos filhos utilizá-las, talvez eu e você tenhamos condições de educar nossos filhos mas quantos o tem? e veja se assim fosse só existiriam drogados pobres que não tiveram chance de educar seus filhos, sei que nenhum governo resolve o problema mais, no entantoonde a legalização deu certo? onde ela diminuiu os crimes relacionados a estes? Na holanda e na Suíça isso não aconteceu.

Anônimo disse...

Se a proibição é solução, pq o governo não proíbe álcool e cigarro tbm?

Anônimo disse...

Bom dia, Rodrigo. Não consigo concordar com a lógica: "se o combate às drogas não tem sido efetivo, então devemos liberá-las". Esta abordagem poderia, então, ser aplicada a qualquer outro crime como, por exemplo, assassinato (com 50.000/ano estamos falhando claramente aqui) ou em casos de estupro, só para ficar em alguns. Outra coisa: o crime não explora as drogas, mas a ilegalidade. O dia em que a droga for legalizada, estes irão simplesmente "mudar de ramo" e nossas famílias continuarão sendo vítimas porque simplesmente escolhemos o não confronto. Também já pensou que caso isto fosse viabilizado, nós transformaríamos as FARC, de uma hora para outra, em uma respeitável empresa legal já que esta dispõe de toda a logística de distribuição de drogas montada ? Um abraço.

fejuncor disse...

Ninguém mais reverte este quadro. O Brasil já tem ministro pedindo liberação de droga em passeata. O Brasil é o pais mais violento e corrupto do mundo. Fruto de uma sequência de governos imorais, ladrões, bêbados.

Burocratoparasita da União disse...

Liberar as Drogas e Proibir as Armas: são as duas teses mais queridas dos "pogreçistas", políticos e ONGs que se auto intitulam dos “direitos humanos”.

Corruptocracia: Roubar é poder! disse...

Deixa assim. Quem quer, consegue. Quem não quer, nem vê.

Anônimo disse...

Parabéns ao espírito democrático do bloguista que aprova a publicacao de tantos comentários contrários aa opiniao "oficial" (for the lack of a better term) da Casa. Ao menos sao pessoas que se interessam pela discussao do assunto. Já é algo de positivo (hoje estou naqueles dias incorrigivelmente otimistas...)

Geovane disse...

ntsr,

Uma criança que mora na favela, pra ela, a droga já é "legalizada". Ela tem acesso muito fácil, na hora que ela quiser, o que vai impedir de usar é uma série de fatores(educação, principal). Não muda nada na prática, assim como a classe média tem disque drogas, ou compra facilmente em qualquer esquina.
Os pobres são os que mais sofrem por causa da proibição, moram no fogo cruzado. Parece que pobre pode sofrer com a guerra, mas a classe média/alta não pode ser assaltada.
Crack vicia rápido? mais um motivo pra legalizar, assim surgem mais clinicas e os viciados terão mais coragem e dignidade em enfrentar o problema com menos preconceito.
Faça uma pesquisa, veja quantas pessoas morrem por tiro nos confrontos e comparem com as que morrem por overdose.

Anônimo disse...

PARA PENSAR: O que é pior para a naçào, o Tráfico de Influências praticado dentro do governo que é pago com dinheiro compulsóriamente confiscado pelo mesmo que não produz nada ou o tráfico de drogas que afeta somente aqueles que voluntáriamente se deixam seduzir pelo vício que até poderiam evitar?
Um abraço.
Edson Vergilio

Geovane disse...

ntsr,

"'tal coisa é ruim, mas como eu não sou forte o suficiente para resistir'

Vcs que se acham fortes assim deviam experimentar crak uma vez.Só uma e pronto, iam ter moral pra falar."

Vc vive de teoria, deve conhecer poucas pessoas, da pra perceber.

Conheço várias pessoas que usaram crack e se libertaram usando uma combinação de técnicas como: ajuda psicológica e principalmente remédios para conter a ansiedade/fissura.
Também conheço pessoas que se libertaram sem ajuda nenhuma, somente com a força de vontade. Passei 3 anos como voluntário numa clinica de reabilitação e morei em lugares onde as leis nem chegam perto, onde as drogas são "legalizadas" e crianças convivam "normalmente" com essas situações. O grave problema dessas comunidades é a guerra, não o uso de drogas.

bebeto_maya disse...

Você citou Reagan:

"O Governo vai além de suas funções quando tenta nos proteger de nós mesmos"

Seu argumento se desmonta nas primeiras frases. Porque o próprio Reagan chegou a afirmar que drogas eram o principal problema de seu país em 1986. Estamos falando da cocaína, modinha dos anos 80.

Depois você fala sobre substâncias que fazem mal somente a quem consome. Mais um erro. Drogados, alcoólatras e tutti quanti, são um fardo para a previdência, para as famílias e para quem é assaltado por um carinha a fim da próxima pedra de crack.

Cita também outras drogas que são liberadas, mas parte ao argumento da generalização. Sugiro que leia o Guia das Falácias, de Stephen Downes. Se com x drogas já temos problemas, imagina com x+y+z!

Depois cita "o abuso de uns não deve tolher o uso da maioria". Mas conhece algum usuário moderado de crack?

Depois você generaliza de novo. Com o segundo argumento de caráter utilitário. Cita a população carcerária dos EUA, presa por ligação ao consumo de maconha. Mas o que você pleiteia não é liberação da maconha, e sim de todas as drogas!

Rodrigo Constantino disse...

Eu reconheço que com o crack ou heroína o buraco é muito mais embaixo!

Defendo a legalização da maconha, mas não tenho certeza quanto ao resto das drogas, as mais pesadas.