quinta-feira, setembro 09, 2010

Vai faltar água?

Vídeo onde comento sobre a paranóia com o fim iminente da água no planeta, o terrorismo que fazem com as crianças, e o verdadeiro culpado do desperdício da água: os subsídios agrícolas dos governos.

7 comentários:

Corruptocracia: Roubar é poder! disse...

Taí uma das muitas contradições entre conservação ambiental. A ampliação da fronteira agrícola é letal à conservação ambiental. Ela beneficia o homem, sem dúvida, mas isto só num prazo de imediato a médio.

Foi esta realidade que celebrizou o brasileiro Chico Mendes. Ele fez a proposta de uso da Amazônia apenas com a extração racional de seus produtos, sem invadí-la com a chamada fronteira agrícola. Mataram-no. A fronteira agrícola contradisse a conservação ambiental - esta é a parábola de Chico Mendes.

Querubim disse...

Não sou marxista e não suporto conversa de esquerdóide. Mas se analiso a Terra como uma nave na qual uma reserva biológica está singrando o tempo em direção a um objetivo, eu sou obrigado a admitir que um modelo coletivo é necessário. Mas quem será líder de tal modelo? Aí é que está.

Eu não diria que o marxismo é ecológico porque ele foi traçado num tempo em que nem se pensava em ecologia. Mas eu diria que a visão ecológica do planeta exige uma postura coletivista.

Esta questão é muito complicada.

fejuncor disse...

É um problema de realocação da água em condições de escassez sem dúvida.

A necessidade do “coletivismo” mencionado acima deve referir-se a formação de uma consciência coletiva a respeito - com providências nessa linha. Algumas regiões são privilegiadas, com grandes rios, e/ou são bastante chuvosas, outras, nem tanto, daí o abuso dos mananciais. Aquelas poderiam suprir estas (a lógica econômica do modelo das vantagens comparativas). O uso intensivo da irrigação em regiões que não teriam como se manter competitivas sem retaguarda estatal, conforme a técnica utilizada, conforme o produto que está sendo irrigado, consome água em níveis injustificáveis sob qq ótica.

Por exemplo, irrigar cana no NE é um absurdo sob todos os pontos de vista. O problema da irrigação não termina com o alto consumo, mas no modo como essa recurso é devolvida à natureza, sempre contaminada por agrotóxicos, o que acaba por contaminar lençóis freáticos. Assim, contribui tmb pro escasseamento quantitativo - consome mais que os outros - e qualitativo - polui o que usa. Seriam burocratas subsidiando a degradação.

Anônimo disse...

De pleno acordo, a solução está no gerenciamento, no “uso múltiplo das águas” de forma balanceada e não no estabelecimento de dogmas ideológicos que não encontram fundamento na natureza. No duro, deveríamos construir nossa política hídrica a partir de uma estratégia gerencial e não de escassez (limitação).

Thais xD disse...

Mas vá esperar esta ' reflexión' de um presidente que não sabe nem onde ficam as águas , chamando o Atlântico de`Pacifico. Depois que Lula ampliou nossas frontreiras, tudo é Possivel, não?
Por qual motivo não se estuda Geografia neste País? Deve ser uma questão de bom ou mau exemplo?
Se ele pode , a gurizada vai pensar que é desnecessário e vão tocar fogo nos Mapas Geográficos! Como Um Presidente...alguém quer comentar?

Burocratoparasita da União disse...

Faltará água potável, THAIS? Pois isto será causa do surgimento de uma próspera indústria da água, com empregos e recolhimento de impostos e bons dividendos para os acionistas. Elevação do nível dos mares? Os polders representarão a inquebrantável capacidade do homem, a criatura semelhante de Deus. Espécies extintas? Entre elas, espera-se, a serpente, que Deus fez sem asas para o bem do... homem. Crescei e multiplicai e usai o planeta com a liberdade de um filho do dono.

Esta corrente de pensamento eu chamo de ‘pogreçista’. Ela vê progresso em engarrafamentos, fumaça saindo das chaminés. Ela não recomenda o fruto do conhecimento. Ela recomenda ignorar, ignorar e viver. Para que saber, se o cartão de crédito possibilita comprar? O político mais popular é o que fala de uma realidade ou é o que canta um discurso agradável? Gasolina cara ou gasolina barata? Mandar estudar ou mandar se dar bem?

Esta corrente entende Economia como a análise do processo monetário decorrente da extração e beneficiamento de recursos naturais. Nada de poupar. O Estado precisa gastar, economia é extração. Sem extração não há negócio.

O presidente Lula, por exemplo, é incapaz de conceber uma economia sem devastação. Ele mesmo é um subproduto do desenvolvimentismo juscelinista, um modelo de progresso que se baseia no mais possível de lata, plástico e gasolina (ops! Biodísio! Biodísio! O pogresso é biodísio). É um progressista. O presidente Bush defendia uma economia baseada no uso massivo e constante de material bélico - um dos maiores progressistas da atualidade.

ntsr disse...

Segundo Stephen Hawking o homem só vai sobreviver se colonizar o espaço